6 doenças graves ligadas à deficiência de vitamina d

Se você esta sem tempo para ler o artigo, veja o vídeo abaixo:

A deficiência de Vitamina D é bastante comum. Estima-se que cerca de 1 bilhão de pessoas no mundo têm baixos níveis de vitamina D no sangue, e isto considerando os baixos índices considerados “suficientes” pelas medições oficiais.

Muitas pessoas estão conscientes dos perigos da exposição excessiva ao sol.

O câncer de pele está no topo da lista desses perigos e, enquanto precisamos nos educar e entender como proteger-nos adequadamente dos danos, causados por muito tempo em contato direto com o sol, não podemos simplesmente evitá-lo completamente.

Não ter sol suficiente tem riscos para a saúde. Isso ocorre porque quando nossos corpos estão em contato com a luz solar, nossa pele absorve uma vitamina muito importante: a vitamina D.

Por sua vez, uma vez que o nosso corpo tem vitamina D, ela torna-se um hormônio que desempenha um papel importante na nossa estrutura óssea, sistema imunológico e até na nossa saúde mental.

Embora você também possa tomar suplementos ou ter uma dieta mais completa para aumentar seus níveis de vitamina D, a melhor maneira ainda é ficar algum tempo ao sol. Algumas autoridades da saúde calculam que 90% dos americanos sofrem de uma deficiência de vitamina D.

Então, vejamos o que poderia acontecer quando você não recebe bastante vitamina D.

1. Pressão arterial elevada
Não há dúvida de que existe uma ligação entre a pressão arterial elevada e níveis mais baixos de vitamina D. A vitamina D trabalha para combater a placa que se acumula nos vasos sanguíneos. Menos vitamina D significa mais placa. Mais placa leva ao fluxo sanguíneo restrito, maior pressão arterial e outras complicações.

2. Câncer
A vitamina D é tão poderosa que ajuda a combater o câncer. Quando nossos níveis de vitamina D estão bons, nosso sistema imunológico funciona corretamente e inibe o crescimento de células cancerosas. A vitamina D também tem um efeito antiinflamatório, o que reduz o risco de certos tipos de câncer comuns.

3. Diabetes
Segundo pesquisadores os jovens que possuem ótimos níveis de vitamina D, terão menos chances de desenvolver diabetes tipo 2, quando ficarem mais velhos. Uma vez que a vitamina D controla os níveis de cálcio, acredita-se que ela tenha capacidade de controlar os níveis de açúcar no sangue. Quando os níveis de vitamina D estão baixos, o corpo parece ter dificuldade em regular o açúcar no sangue, e ao longo do tempo isso pode levar ao desenvolvimento de diabetes tipo 2.

4. Artrite reumatóide
Mais uma vez, ligando a relação da vitamina D ao cálcio, entendemos sua importância na saúde óssea. A vitamina D ajuda o corpo a absorver cálcio, mas quando não a temos em abundância, nossos ossos podem sofrer na idade avançada tornando-se moles e quebradiços. Uma deficiência de vitamina D também leva a um desenvolvimento muscular fraco. Esses fatores podem gerar a formação de artrite reumatóide.

5. Asma
Um dos efeitos anti-inflamatórios que a vitamina D tem é combater a asma. Asma e outros problemas respiratórios resultam, em parte, da inflamação nos pulmões. Pessoas que vivem em grandes áreas urbanas geralmente têm menos exposição ao sol, o que resulta em baixos níveis de vitamina D, o que pode fazer com que elas sejam mais suscetíveis à asma do que aquelas em áreas rurais, que são mais freqüentemente expostas à luz solar direta.

6. Síndrome
do Intestino Irritável A síndrome do intestino irritável é causada quando um agente ofensivo faz com que o sistema imunológico do corpo produza inflamação no trato intestinal. A vitamina D é importante para um sistema imunológico que funciona corretamente e reduz a inflamação, o que por sua vez irá reduzir o risco da síndrome do intestino irritável.

Se inscreva no canal do Natureba no YouTube e fique por dentro das novidades!

*A prática de exercícios e uma dieta saudável são fundamentais para se ter saúde e ficar em forma. O Natureba é um espaço informativo, de divulgação e educação com temas relacionados a saúde, nutrição e bem-estar. As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde - médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas. OBS: Remédios naturais também tem efeitos colaterais, já que agem de formas diferentes em cada organismo, por isso antes de usar qualquer tratamento alternativo consulte sempre seu médico.