Cuidado com a margarina! Saiba por que você deve abolir esse alimento!

A margarina foi criada para substituir a manteiga durante o regime de Napoleão Bonaparte, com a intenção de baratear o custo para as classes mais baixas e o gasto com as provisões dos exércitos napoleônicos.

De lá para cá não houve muitas mudanças, de fato a margarina é mais barata. Produzida a partir de gordura de vaca, bicarbonato de sódio e leite desnatado seu processo de industrialização esconde muito mais elementos problemáticos do que aparenta.

Para aumentar a conservação da margarina usam-se ácido fosfórico, soda e, por incrível que pareça solvente de petróleo.

Isso mesmo.

O processo de criação da margarina também envolve uma série de ácidos e um período de catalisação com níquel para gerar a gordura hidrogenada presente na substância.

margarinamargarina

Sem dúvidas, o produto final cumpre o que se propõe. Tem alta capacidade de conservação, textura firme e não permite a proliferação de fungos.

O que não significa que possamos chamar a margarina de alimento.

A margarina tem abundante concentração de gordura trans, um elemento 100% sintético, ou seja, não está presente na natureza.

Além disso, a gordura trans consegue ser mais danosa à saúde do que a própria gordura saturada animal.

Estudos comprovaram que a margarina traz altos prejuízos à saúde das pessoas. Em alguns países como os Estados Unidos, a comercialização da margarina sofre taxas extras do governo para compensar os impactos no sistema de saúde devido ao aumento de doenças provenientes do produto.

De acordo com os estudos, a margarina pode provocar uma série de problemas de saúde, como, por exemplo:

Se inscreva no canal do Natureba no YouTube e fique por dentro das novidades!

*A prática de exercícios e uma dieta saudável são fundamentais para se ter saúde e ficar em forma. O Natureba é um espaço informativo, de divulgação e educação com temas relacionados a saúde, nutrição e bem-estar. As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde - médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas. OBS: Remédios naturais também tem efeitos colaterais, já que agem de formas diferentes em cada organismo, por isso antes de usar qualquer tratamento alternativo consulte sempre seu médico.