Estas 3 vitaminas impedem a perda de memória e previnem o alzheimer

Você sabia que depois dos 70 anos, cerca de 1 em cada 5 pessoas sofre com algum tipo de problema cognitivo?

Em outras palavras, depois de uma avançada idade, muitos irão desenvolver algum grau sério de demência.

Se você esta sem tempo para ler este artigo, veja o vídeo abaixo:

Uma das doenças mais conhecidas relacionadas ao cérebro é o Alzheimer, que se caracteriza pela perda das funções mentais que ocorrem pela perda de neurônios.

Embora essa doença não tenha uma cura ainda, acredita-se que as causas do desenvolvimento tardio da doença sejam uma combinação entre fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida.

Dentre esses fatores, um deles chamou bastante atenção de pesquisadores, que descobriram uma ligação forte entre os níveis de homocisteína e o surgimento da doença.

Para se ter uma idéia, um em cada seis casos de Alzheimer apresentava grande quantidade de homocisteína.

Além do Alzheimer, esse aminoácido tem sido associado também ao risco de doenças cardíacas.

Mas afinal, o que é a homocisteína?

A homocisteína é um aminoácido naturalmente presente em nosso corpo.

A concentração de homocisteína presente em nosso organismo é produzida a partir da metionina, um aminoácido que pode ser encontrado em diversos alimentos, especialmente em produtos como carne vermelha, frutos do mar, laticínios e ovos.

Ou seja, o composto não é adquirido pela alimentação, mas seus níveis estão diretamente ligados a ela.

Um pequeno estudo, muito promissor, demonstrou que a suplementação com Vitamina B reduziu significativamente os níveis de homocisteína em pacientes com déficit cognitivo médio, além de diminuir a taxa de atrofia do cérebro.

Você pode estar imaginando, depois dessa descoberta, que aumentar o consumo das vitaminas do complexo B seja a solução para prevenir doenças cognitivas como o Alzheimer, não é mesmo?

Como a produção de homocisteína é decorrente de um processo que ocorre a partir da alimentação, a nutrição é o melhor caminho para manter os níveis equilibrados.

Para reduzir os níveis desse aminoácido, nosso corpo precisa de três vitaminas: folato (ácido fólico), vitamina B12 e vitamina B6.

Na verdade, a maioria das pessoas consomem alimentos ricos em vitamina B12 e B6. O grande problema é o folato.

Uma das melhores fontes de folato são as folhas verde-escuras, que muitas vezes não recebem a importância devida nas dietas das pessoas atualmente.

Estima-se que 96% dos americanos não conseguem ingerir a quantidade mínima recomendada desses vegetais.

Uma boa forma aumentar a ingestão do folato é consumindo vegetais como espinafre, nabo, salsa e alface romana. Brócolis, couve-flor e lentilhas também podem ser incluídas na lista de alimentos com boas concentrações de folato.

O consumo regular desses alimentos, como é o caso das folhas verdes escuras, tem a capacidade de reduzir os níveis de homocisteína no organismo em pouco tempo.

Dietas à base de vegetais como é o caso dos vegetarianos e veganos também precisam prestar atenção, pois, embora consumam boas quantidades de folato, acabam sendo mais deficientes em vitamina B12.

Uma boa saída nesse caso é suplementar essa vitamina.

Em resumo, a ingestão equilibrada de folato, vitamina B6 e B12 é de suma importância,   podendo ser a chave para reduzir as chances de desenvolver doenças do cérebro no futuro.

Gostou deste vídeo? Se você gostou do vídeo, curta, se inscreva no canal e compartilhe com seus amigos.

Fonte: These 3 Vitamins Stop Brain Loss And Prevent Alzheimer’s Disease

Se inscreva no canal do Natureba no YouTube e fique por dentro das novidades!

*A prática de exercícios e uma dieta saudável são fundamentais para se ter saúde e ficar em forma. O Natureba é um espaço informativo, de divulgação e educação com temas relacionados a saúde, nutrição e bem-estar. As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde - médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas. OBS: Remédios naturais também tem efeitos colaterais, já que agem de formas diferentes em cada organismo, por isso antes de usar qualquer tratamento alternativo consulte sempre seu médico.