O que é o câncer de mama? Entenda melhor essa doença!

Se você esta sem tempo para ler o artigo, veja o vídeo abaixo:

O câncer é um termo que significa o crescimento rápido e desordenado de células de alguma parte do corpo, nesse caso, da mama.

A saúde do nosso corpo depende de mantermos o equilíbrio das células, por isso, quando essas células sofrem alterações, nesse caso um crescimento desordenado, esse equilíbrio se desfaz.

Os chamados tumores são consequências desse crescimento desordenado.

No caso específico do câncer de mama, o desequilíbrio celular pode aparecer em dois lugares: nos lóbulos e nos ductos mamários.

Apesar da definição simples, o desequilíbrio celular não é algo tão fácil de acontecer no corpo humano.

Para ter uma ideia, o aparecimento de câncer de mama é relativamente raro nas mulheres com até 35 anos de idade.

Além disso, mesmo que a probabilidade de ocorrência de câncer de mama aumente progressivamente com a idade, nem todo câncer de mama é agressivo.

A maioria dos nódulos encontrados é benigna e possuem tratamentos adequados e efetivos.

Entretanto, somente um diagnóstico médico pode diagnosticar corretamente qual o tipo de tumor e seu tratamento correspondente. Apesar do câncer de mama estar diretamente relacionado à mama feminina, também é possível ocorrer desequilíbrio celular em homens, mas as estatísticas provam que a incidência no sexo masculino é muito menor.

O diagnóstico precoce do câncer de mama é crucial para o sucesso efetivo do tratamento.

A fase inicial do câncer se caracteriza pela presença de um nódulo muito pequeno que chega, no máximo, a 1 centímetro.

Isso significa que o desequilíbrio celular ainda não avançou muito.

A chance de cura para nódulos até esse tamanho pode chegar a até 95%.

Para garantir essa chance toda, se recomenda realizar o exame de mamografia uma vez por ano a partir de 40 anos de idade. Mas o que gera esse desequilíbrio celular?

O câncer de mama não tem uma causa específica. Sua progressão deve ser avaliada de acordo com uma série de fatores, que podem ser genéticos ou referentes ao modo de vida da pessoa.

Nesses casos o histórico familiar pode trazer pistas importantes para saber se a pessoa tem tendência ou não a desenvolver essa doença. Mulheres com histórico de câncer de mama na família são vulneráveis.

Além disso, as mulheres cujos parentes do núcleo familiar (mãe ou irmã) que tiveram a doença antes dos 50 anos, estão no grupo de pessoas propensas a desenvolver a doença.

Toda mulher adquire certo risco de desenvolver câncer de mama, conforme a idade avança, pois as células sofrem com o processo de envelhecimento.

Além disso, mulheres que tiveram a sua primeira menstruação antes dos 11 anos de idade também fazem parte do grupo de risco. Mulheres que experimentaram a menopausa após os 55 anos, também devem ficar atentas e realizar mamografias constantes, pois também estão vulneráveis ao desenvolvimento de nódulos.

Além disso, quem nunca engravidou ou teve filho após os 30 anos, também deve ficar atenta.

Esses podem ter alguns fatores, porém, há fatores relacionados ao estilo de vida que podem aumentar esse risco.

Os fatores referentes ao estilo de vida mais conhecidos são:

– Evitar fumar;
– Evitar ingerir álcool;
– Manter um peso dentro do padrão do IMC – Índice de Massa Corporal;
– Manter uma alimentação saudável.

Por isso, manter um estilo de vida saudável é muito importante para evitar o câncer de mama, entretanto, não exclui de forma alguma a prevenção feita a partir da realização de mamografias anuais.

Por isso sempre faça acompanhamento médico, e realize exames periodicamente.

Fonte: mulherconsciente

Se inscreva no canal do Natureba no YouTube e fique por dentro das novidades!

*A prática de exercícios e uma dieta saudável são fundamentais para se ter saúde e ficar em forma. O Natureba é um espaço informativo, de divulgação e educação com temas relacionados a saúde, nutrição e bem-estar. As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde - médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas. OBS: Remédios naturais também tem efeitos colaterais, já que agem de formas diferentes em cada organismo, por isso antes de usar qualquer tratamento alternativo consulte sempre seu médico.