Seu corpo tem um “segundo cérebro”, veja como isso afeta sua saúde

Você já sentiu “borboletas no estômago”? Ou se sente nauseado quando está ansioso? Nós costumamos usar essas expressões porque, de fato, nosso trato gastrointestinal é sensível às nossas emoções.

Costumamos acreditar também que nossas emoções são controladas pelo cérebro, mas uma outra fonte que você talvez nem imagina, pode afetar como você se sente.

Se você esta sem tempo para ler o artigo, veja o vídeo abaixo:

Estamos falando do intestino, um órgão que além de ser habitat para trilhões de microorganismos, possui uma rede de neurônios assim como nosso cérebro. Não à toa, muitos pesquisadores se referem ao intestino como nosso “segundo cérebro”.

O intestino é ligado ao cérebro não só fisicamente, mas também bioquimicamente, e por esse motivo, muitas pesquisas recentes vêm relacionando esse órgão com nossa digestão, humor, saúde em geral e até a forma como pensamos.

Impressionante, não é mesmo? Para se ter uma idéia, boa parte da serotonina, um neurotransmissor que atua no cérebro regulando o humor, sono e até o apetite, é produzida em grande parte no intestino.

Outros neurotransmissores, que controlam nossos sentimentos e emoções também são produzidos no intestino, até mesmo pelas bactérias que ali habitam.

Além disso, essas bactérias produzem outros químicos que podem afetar como seu cérebro funciona e até mesmo o seu peso.

Agora que você sabe como o intestino é importante não só para nosso bem-estar como para nossa saúde em geral, vamos te ensinar algumas dicas para melhorar seu funcionamento.

Cuide do seu intestino
Consumir alimentos probióticos como o kefir, kombucha e iogurte, vão garantir que seu organismo receba boa quantidades de bactérias importantes para o intestino.
Outro tipo de alimento bom para o intestino são os prebióticos, que servem como alimento para essas bactérias. Banana, feijão, cebola, pêra e até mesmo o alho possuem o tipo de fibra ideal para alimentá-las.

Evite o glúten
A frase “você é o que você come” é muito verdadeira, especialmente em se tratando da saúde intestinal. Pesquisas demonstraram que dietas livre de glúten tiveram impacto positivo nas bactérias boas do intestino, especialmente em pessoas que são sensíveis a essa proteína.

Aumente a ingestão de magnésio
O magnésio é um mineral importante para nosso organismo, especialmente para a saúde digestiva. Além de ser necessário para a produção de enzimas digestivas, ele ajuda a relaxar os músculos, melhorando o trânsito intestinal.
Você pode encontrar esse mineral em alimentos como acelga, sementes de abóbora, amêndoas, abacate, chocolate amargo e bananas.

Durma bem
Um estudo feito na Suécia demonstrou que apenas 2 noites mal dormidas consecutivas já foram o suficiente para reduzir em até 50% cepas de bactérias benéficas no intestino. Dormir mal pode não só afetar a sua digestão, como sua imunidade e até seu humor. Por isso, tente dormir pelo menos 8 horas por noite.

Aumente os níveis de melatonina
A melatonina é liberada por uma glândula pequena que regula os ciclos de sono e vigília. A deficiência desse hormônio no organismo tem sido ligada a um aumento da permeabilidade do intestino, condição essa chamada de “intestino vazado”.
Exemplos de alimentos que estimulam a produção desse hormônio, são própolis, abacate, cereja, uvas, tomate, cevada e abacaxi.

Fonte: Your Body Has A “Second Brain”, Here’s How It Impacts Your Health

Se inscreva no canal do Natureba no YouTube e fique por dentro das novidades!

*A prática de exercícios e uma dieta saudável são fundamentais para se ter saúde e ficar em forma. O Natureba é um espaço informativo, de divulgação e educação com temas relacionados a saúde, nutrição e bem-estar. As informações e sugestões contidas neste site têm caráter meramente informativo, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde - médicos, nutricionistas, psicólogos, profissionais de educação física e outros especialistas. OBS: Remédios naturais também tem efeitos colaterais, já que agem de formas diferentes em cada organismo, por isso antes de usar qualquer tratamento alternativo consulte sempre seu médico.